quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

OS HEBREUS NEGROS

Esta página está sendo dedicada a todos aqueles que desejam conhecer a verdade que ficou oculta há quase que 2000 anos sobre o verdadeiro povo de Israel.

Antes da dispersão da humanidade na chamada "Torre de Babel", a região não era conhecida por Babilônia, e sim, Sinar ou Suméria. Babel ou Babilônia significa "confusão" e nada têm a ver com o nome original daquele espaço geográfico, os habitantes eram conhecidos como Sumérios e habitavam a região baixa do Vale do Eufrates. Esses sumérios ou etíopes assim como eram conhecidos parecem ter se situado ao longo de toda aquela área desde a Mesopotâmia (originariamente chamada Terra dos Etíopes) até a Índia, essa região atualmente inclui: Sudeste do Irã, Afeganistão, Paquistão e o Nordeste da Índia. As escrituras fazem referencia a Suméria em Gen.10:10 e 11:1 sob o nome de Sinar, Sinar e Suméria são nomes relacionados. Existe sem sombra de dúvida uma relação sanguínea entre as tribos dravidianas da Índia e os Etíopes sumérios.

 Arqueologistas escavaram cidades sumérias como Eridu, Lagash, Nippu, kish e Ur, e foram datadas anteriores de 4.000 anos.

Os arqueologistas também encontraram esqueletos de antigos dravidianos e Nedda em Ur e em Kish.
Durante a Idade média as nações negras da África e Ásia exerciam grandes influencias mundiais na política, economia, educação e militar. Nessa época a Europa ainda estava adormecida. A partir do século XVII o mais tardar é que a Europa começou a submergir da dormência, escuridão e estado de ignorância.

Johann F. Blumenbach um médico alemão, fisiologista e antropólogo que viveu entre 1752-1840, foi o primeiro a classificar a humanidade com base na sua pesquisa craniometrical (análise de crânios humanos), Blumenbach dividiu a espécie humana em cinco raças:

Raça caucasiana ou raça branca

Raça mongol ou amarela

Raça malaia ou marrom

Raça etíope ou preta

Raça Índio americano ou vermelho.

Note que antes a humanidade não era classificada em brancos, pretos e amarelos.

A raça negra, por exemplo, era classificada por Etíopes. Todo o Continente hoje conhecido como África era chamado nos tempos bíblicos de Etiópia. Contudo esse alemão considerou que a raça caucasiana era a superior e isso levou a uma viciosa filosofia racial e daí surgiu várias perseguições, sabemos que no inicio da história toda a humanidade era da cor negra, mais com o passar dos tempos houve uma mutação de genes. Na Austrália, por exemplo, existem aborígenes pessoas de pele escura com cabelos louros ou até avermelhados.

Há entre os negros os albinos que também é mais um fator que contribuí para a mutação dos genes, reconhecido entre a maioria dos geneticistas que através da raça negra podemos obter todos os outros tons epiteliais até mesmo o branco mais não o vice versa. Do negro surge o branco, mas do branco não pode surgir o negro.

Quando Moisés liderou os israelitas na saída do Egito (Nordeste da África), e morreu no deserto, Josué deu prosseguimento e liderou os liderou até a terra de Canaã e desapossou os cananitas que lá estavam, está escrito no talmude que por volta de 322 a.C. quando Alexandre da Macedônia conquistou a Palestina esses cananitas africanos vieram implorar diante de Alexandre e fizeram queixas contra os hebreus pedindo a Alexandre que retomasse as terras dos israelitas, pois diziam: "Canaã pertence a nós", O ponto que quero elucidar é que esses cananitas se consideram eles próprios como sendo africanos, conseqüentemente podemos afirmar corretamente que a linguagem hebraica-cananita é uma das línguas africanas.


FONTE: Por Miryahm Ysrayl, Hebréia Israelita.

Nenhum comentário:

Postar um comentário