quinta-feira, 21 de junho de 2012

PROVAS HISTÓRICAS DO SHABAT LUNAR
O calendário de vara encontrada no Termas de Tito (79 dC construída - 81) fornece mais uma prova de que nem o shabat bíblico, nem o dia da ressurreição do Mashiach jamais poderá ser encontrada usando o calendário juliano. O círculo central contém os 12 signos do zodíaco, correspondente aos 12 meses do ano. Os algarismos romanos nas colunas esquerda e direita indicam o dia do mês. Em toda a parte superior do calendário vara aparecem os sete deuses planetários dos romanos pagãos. Sábado, (ou dies Saturni - O dia de Saturno) foi o primeiro dia da semana, e não o sétimo.
O Moderno / Calendário Romano começou por volta de 46 aC por Júlio César.
Antes desse tempo, há algumas outras fontes que nos dizem que o Shabat foi
contado pelo calendário lunar: The Universal Jewish Encyclopedia o reconhece,
dizendo que os Shabatot foram originalmente observados pelas fases da lua.
Philo que viveu no mesmo tempo que o nosso Salvador, reconhece que a semana
era só pela lua , bem como Clemente de Alexandra (Estomas vol. VI). No
entanto, os hebreus nem sempre continuaram a manter o Shabat como YHUH os
fez esquecer; Veja Lamentações 2:6.
Os Jubileus PROVAM que o ciclo de sete dias fixos como no calendário
Gregorianio NÃO É VERDADE O ano dos jubileus quebra o ciclo de seis anos de semeadura, em seguida, há descanso, com dois “back-to-back”, a terra repousa sobre a 49 e 50 anos, mesmo que a lua nova quebra o ciclo dos seis dias de trabalho com dois dias de “back-to-back”, o culto no final do mês. No último dia shabat do mês e do dia da lua nova são dias de culto. (Ezechel 46:1) "As portas da casa YHVH devem ser fechadas durante os seis dias úteis da semana, e abrir no Shabat" e "o dia da lua nova."
EXEMPLO: A terra é semeada por seis anos e permitiu a descansar no sétimo
ano, mas depois a terra repousa por 7 sete anos (49 anos) e novamente no resto
do ano 50 que quebra o ciclo dos seis restantes, seis de descanso, ETC. Desde o
sétimo dia de descanso, você tem seis "descansos" restante, contando os 49 e 50
anos de descanso, que quebra o ciclo de seis de descanso com dois “back-to-
back” de descanso. Este é absoluto. O ciclo de seis da semeadura, em seguida,
descanso é interrompido por um descanso no final dos anos 49. O mesmo é
verdadeiro quando o dia de culto a lua nova. Os portões da casa de YHVH seriam fechados durante os seis dias úteis da semana, e abrir no Shabat "e" no dia da lua nova. (Yechezkel-Ezequiel 46:1) Isto coloca dois dias de adoração em uma fileira e que é por isso que o Shabbats estão sempre na 8o, 15o, 22o e 29o da lua, porque a semana de trabalho começa depois da lua nova, ou Shabbats. Este também é um absoluto. Em outras palavras, se a lua nova, não é um dia de trabalho normal da semana em que você pode "comprar e vender" (Amós 8:5) e fazer todo o seu trabalho, então você terá apenas "cinco" dias uma vez por mês, onde você pode comprar e vender e fazer todo seu trabalho, e sabemos que a Escritura ensina que nós temos "seis" dias de trabalho e fazer todo o nosso trabalho. O mesmo acontece com o 50o ano Jubileu. Se você contar o 50o ano como o primeiro ano para o Jubileu seguinte, você terá apenas "cinco" anos para semear a terra nos sete primeiros anos e no final de 50 anos, você terá 99 anos nos dois 50 anos do Jubileu em vez de 100 anos. (Faça a matemática) dois jubileus de 50 anos é 100 anos. Outro absoluto. Tudo porque em nossas mentes, nós pensamos que o ciclo de "seis semeadura um descanso" não deve ser interrompido, embora YHVH irá quebra-lo com dois de descanso da terra, mesmo que Ele rompa com o ordinários dias úteis de cada mês, com "dois dias" adoração, em vez de um, que o homem  discorda. Isto é que YHVH está fazendo e é maravilhoso aos nossos olhos.
JOSEPHUS
O historiador Flávio Josefo relata os registro dos Shabbats que podem ser
identificados e estão na forma de 8o, 15o, 22o e 29o da lua nova e não foi contado como um dos seis dias de trabalho. Os romanos viram que os hebreus, no Shabat, não lutavam, ao menos que eles fossem atacados. Mudaram-se os seus motores e aríetes até as paredes, no dia do Shabat, que de outra forma que não se podia fazer, e no dia seguinte, eles golpearam a cidade. Josefo registra que o 23o foi o "dia seguinte" após o Shabat, quando os romanos atacaram, ou o dia após o Shabat, quando tinha tudo no lugar. (Consulte a página 369. Antiguidades dos judeus Livro 14, capítulo 4:3 e nota de rodapé na página 370).
PHILO
Philo era muito influente que viveu ao mesmo tempo na época do Salvador,
manteve a semana e Shabbats pela lua, ele disse que você tem uma lua cheia no
final de semana a 2, o que prova que os hebreus no tempo do Messias sabia que a semana era contada pela lua. Ver páginas de Estudos Preliminares 313, 19 cap. (106). Nos escritos de Filo, ele registra que a festa dos Pães Ázimos só com a Festa dos Tabernáculos, foram designados para o dia do Shabat semanal, que
ambos estão no dia 15 / Shabat. Philo sabia que o dia 15 foi um dia do Shabat
semanal, que começou com ambas as Festas de YHVH, que durava sete dias.
Consulte a página 532 Philo xxx (161) Philo sabia que os israelitas receberam
descanso no dia 15 do cativeiro do Egito e as festas no 1o e 7o meses e tem a ver com a sua forma da libertação da escravidão no Egito no dia 15, um Shabat e festa destes dois, foram designados para os dias na 7a semana (dia 15) de acordo com Philo que viveu no dia de nosso Messias, estes são dias memorial, que começou nestas duas semanas do festival. Embora, nunca Philo, estivesse certo quando disse que o sétimo dia é pela lua e é contado a partir da lua nova, não tinha necessidade, especialmente se o conhecimento era comum neste momento. Ele disse que "o quarto mandamento tem referência ao sétimo dia sagrado, que pode ser aprovada em um modo santo e sagrado. Agora, alguns estados mantem o festival Santo somente uma vez no mês, a contar da lua nova, como um dia sagrado para YHVH: mas a nação dos hebreus mantem cada sétimo dia, regularmente, a cada intervalo de seis dias de trabalho. " (Contando a partir da Lua Nova). Philo página 526 xx (96).
No mínimo, a contar da lua nova para o Shabat não é nada de novo e Philo
reconhece que alguns estavam mantendo-o apenas uma vez por mês e eles
acharam a contar da lua nova. Novamente, Philo menciona a lua com o sétimo dia. Na página 26 (iv) (8) "Novamente, as mudanças periódicas da lua, tem lugar de acordo com o número sete, que a estrela que tem a maior simpatia com as coisas da Terra. E as mudanças que a lua funciona no ar, e a aperfeiçoa principalmente em conformidade com as suas próprias configurações de cada dia "sétimo". Se Philo, que viveu antes e durante vinte anos após o tempo do Messias, está dizendo isso, eu acredito no que ele está dizendo, não está fora de harmonia com as Escrituras ou da história. Arão e seus filhos Arão e seus filhos foram santificados por sete dias, que começou em uma lua nova, e no oitavo dia, houve uma assembléia (Moed) da congregação. O ponto é que durante esses sete dias, eles não sairam da porta do Tabernáculo por sete dias e noites. Levítico 8:34, 35. No calendário do shabat ou montagem, poderia interromper estes sete dias que eles estavam sendo santificados no tabernáculo.
Foi a partir da lua nova até o sétimo dia. No Shabat, o dia 8, que era o sétimo dia após seis dias de trabalho, se reuniram a congregação e não antes. Isso prova que a Assembléia ou convocações puras foram nos dias 8, 15, 22 e 29. Em Ex.40: 1, YHVH falou a Moshé dizendo que no primeiro dia da primeira lua, tu deve configurar o tabernáculo da congregação. "Além disso, em Ex 40:12-15, Moshe foi ordenado para ungir Arão e seus filhos e colocá-los as vestes sagradas, e o versículo 17 diz: "E aconteceu que, na primeira lua no segundo ano, no primeiro dia da lua que o tabernáculo foi levantado." Aqui, novamente a primeira lua do primeiro mês é o padrão da primeira semana de Gênesis, todas as coisas que saíam para fora da escuridão representado no sair da conjunção.
Lev.8:3 diz que foi dito a Moshe para reunir a congregação (na Lua Nova) e nos
versos 6-13, Moshe trouxe Arão e os filhos e as vestes puras sobre eles e ungiu o
tabernáculo sozinho com Arão e seus filhos como ordenado. No versículo 33 eles foram ordenados a não sair do Tabernáculo por sete dias, mas no oitavo dia
(Shabbat) YHVH apareceu-lhes. (Levítico 9:15, 23) Por estes versos que você
pode localizar que eles começam a sua santificação para a 7 dias e no dia 8 foi a
assembléia da congregação, na Lua Nova. Isso coloca o Shabbat em 8, 15, 22 e
29 provando que o dia da lua nova não é contado como um dos dias úteis para
chegar ao primeiro Shabbat. Quando as pessoas foram separadas para a limpeza, como um leproso, ou quando o templo foi dedicado, ele começou no Rosh Chodesh ou Shabat, tal como fez a separação de Arão e seus filhos.
SALOMÃO Pcelebrou Salomão a festa por sete dias, a Festa dos Tabernáculos
(15 - 21). O versículo 9 diz que no oitavo dia (22a) Shabat, eles fizeram uma
assembléia solene para que a dedicação do altar sete dias, (8 -14) e a festa sete
dias (15 - 21). Se você contar para trás, verá que a dedicação do altar começou no dia 8. O versículo 10 continua a dizer que no dia 23, ele despediu o povo. Por que ele não mandou embora no dia 22? Será que 22 foi um Shabbat? Quando você conta apartir do Shabat a Shabat, há oito dias. O dia de reconstrução pode ser de dois dias de Miqra kadosh-reunião solene. (I Sam. 20:5 - 27).
“O calendário romano original, introduzido por volta do século VII ., tinha 10 meses e 304 dias no ano, que começava em março. Mais dois meses, janeiro e fevereiro, foram acrescentados posteriormente, ainda no século VII a.C., mas como os meses tinham somente 29 ou 30 dias, era preciso intercalar um mês extra aproximadamente a cada dois anos. Os dias do mês eram designados pelo incômodo método de contar para trás a partir de três datas: as calendas, ou o primeiro dia de cada mês; os idos, ou meados do mês, que caíam no dia 13 de certos meses e no dia 15 outras vezes; e as nonas, ou o nono dia antes dos idos. No ano 45 a.C, Caio Júlio César decide ritamente solar. Esse calendário, conhecido como juliano, estabeleceu o ano normal, com 365 dias, e o ano bissexto, a cada quatro anos, com 366 dias.
O calendário juliano também instituiu a ordem dos meses e dos dias da semana tal como aparece nos calendários atuais.” – (Ibidem.).
destaque no primeiro século, foi associado com o Sol, a Lua e os cinco
planetas visíveis. Os antigos entendiam que o final da Lua (segunda), Marte
(terça), Mercúrio (quarta), Júpiter (quinta-feira), Vênus (sexta), Saturno
(sábado) e Sun (domingo). O método para organizar estes planetas
tradicionais, de uma forma estranha e pouco ortodoxa vem de sua regência
suposto de sucessivas vezes durante as 24 horas do dia e 168 horas da
semana.:
Vênus, Mercúrio, Lua) foram concebidos astrologicamente como os
respectivos" chefes "de 7 a primeira das 24 horas do primeiro dia e,
posteriormente, de cada conjunto sucessivo de 7 horas. As primeiras horas
de sete dias consecutivos foram, assim, governada por Saturno, por sua vez,
o Sol, a Lua, Marte, Mercúrio, Júpiter e Vênus, depois que o ciclo se repetiu.
Cada dia foi nomeado após o planeta que governou a primeira hora, e os sete
dias na semana planetária foi assim definido "(da Enciclopédia Britânica,
1972: Week).
A sistemas fixos da semana do calendário que pode representar uma tentativa de início de transição a partir da semana lunar mais antiga para a semana moderna fixada e tornada obrigatória por Roma a alguns séculos mais tarde. Manuscritos do Mar Morto e fragmentos também preservam um calendário luni-solar, junto com novas luas e escuras que são desnecessários, se apenas manteve o calendário puramente solar de 364 dias.
"semana moderna nomeada após os sete planetas], deve ser datado no final do primeiro século dC" - W. Rordorf
"Ele então colocou-a como uma criatura da noite, para Infalível no Mes, entregou-lhe a uma tiara. No início do mês, então, aparecendo na terra Os poderes brilham para dar a conhecer as esta No sétimo dia, a tiara aperfeiçoamento, Asa [banheira] tu então encontrar, no me sábado: Babilónia).
"oxyrhynchus", pt, 1, p.3, Logion 2, verso 4-11 Egito 200-250 dC

sábado, 2 de junho de 2012

Mesmo de relance poder-se-á constatar ser a maior parte das doutrinas da dogmática cristã procedente de fonte diversa das escrituras.
Suas informações relativas aos sacramentos, à mariologia, à sucessão e colegialidade dos bispos, à infalibilidade e primado dos papas e pastores, à sua organização eclesiástica, ao purgatório, à negação a Torah (lei), ao culto dos santos, à ignorância às celebrações das Escrituras instituídas pelo Criador, de onde provém?
Essa fonte diferente é chamada TRADIÇÃO.